Como funcionam e para que servem os para-raios?

para-raios edificação fios terra

Não há meios capazes de modificar os fenômenos climáticos1 a ponto de evitar a ocorrência de descargas atmosféricas. Quando estas atingem as edificações, diretamente ou nas suas proximidades, há perigo para as próprias estruturas, para seus conteúdos, instalações e para as pessoas. Assim, é preciso providenciar meios adequados de proteção, considerando as características e particularidades de cada local, de acordo com as normas técnicas correspondentes2. Em alguns casos, é indicado o uso de para-raios incorporado ao sistema de proteção.

De forma simples, o para-raios é constituído por uma haste metálica, instalada no ponto mais alto de uma edificação, conectada à terra através de cabos (“fios”) especiais. Sua finalidade é proteger a estrutura contra as altas descargas de energia que ocorrem durante a queda dos raios.

Fatos sobre os para-raios.

  • Os para-raios não impedem que ocorram as descargas elétricas. Só as desviam através de um “caminho” mais fácil até o solo, reduzindo assim seus efeitos destrutivos.
  • O projeto e instalação dos para-raios devem atender rigorosamente os requisitos estabelecidos pelas normas técnicas, a fim de garantir a segurança e desempenho adequados.

Curiosidades sobre os raios3.

  • O raio é uma descarga elétrica de grande intensidade que ocorre na atmosfera. E o trovão, que geralmente o segue, é o barulho causado pela rápida expansão do ar, provocada pela passagem da referida descarga.
  • Os raios podem sim cair várias vezes no mesmo lugar!
  • Na maioria das vezes, as pessoas são atingidas indiretamente pelos raios, através do solo ou de objetos, o que pode causar graves lesões. Em situações mais raras, onde as pessoas recebem descargas diretas, a morte é imediata.

Não só as edificações precisam de proteção. Os equipamentos e instalações também!

As descargas atmosféricas geram altíssimas quantidades de energia. Embora sejam eventos de curta duração, são suficientes para causar a circulação de correntes elétricas elevadas, capazes de danificar facilmente os equipamentos eletroeletrônicos instalados no interior das edificações.

Para evitar prejuízos decorrentes destes efeitos, devem ser incorporados dispositivos de proteção contra surtos (DPS) nas instalações e equipamentos.

 

Referências:

(1) Norma NBR 5419-1:2015 – Proteção contra descargas atmosféricas. Parte 1: Princípios gerais. Publicada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
(2) Normas NBR 5419-1 até NBR 5419-4 – Proteção contra descargas atmosféricas. Publicadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
(3) Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) – http://bit.ly/2nk6lLT – Cartilha “Proteção contra raios”. Acessado em 04/10/2019.