Choques elétricos: o maior risco está dentro de casa

Choques elétricos o maior risco está dentro de casa

Durante o ano de 2018, foram registrados 836 casos de choques elétricos no Brasil1, que correspondem a 59% do total de acidentes que envolvem eletricidade. Deste número, 622 ocorrências foram fatais. E a maioria delas, em ambientes residenciais (34%).
Estudos2 indicaram dados alarmantes sobre a segurança das instalações elétricas residenciais, onde 35% dos imóveis adotavam o padrão brasileiro de tomadas e apenas 27% das edificações pesquisadas possuíam dispositivos de proteção contra choques elétricos (DRs – Diferenciais Residuais). Itens essenciais de segurança.

Você conhece os efeitos do choque elétrico?

A maior preocupação é com a passagem da corrente elétrica pelo corpo humano, que pode causar desde um simples formigamento, queimaduras, fibrilação, parada cardiorrespiratória até a morte, de acordo com a intensidade e o tempo de exposição à energia.
Então, saiba que um choque elétrico (por mais fraco que seja) em situações comuns do dia a dia, seja na hora de ligar o chuveiro ou abrir a porta da geladeira, é sinal de que algo está errado e deve ser verificado. Proteja sua vida!.

Prevenção. A melhor forma de mudar uma sombria realidade.

Há diversas ações que podem ser tomadas para evitar acidentes. Considerando que a maioria ocorre no ambiente residencial, uma das mais importantes é a instalação dos interruptores diferenciais residuais (DRs).
Eles são normalmente instalados nos quadros de distribuição. Atuam “cortando” a energia ao detectar a passagem da corrente elétrica à terra (que ocorre durante o choque elétrico), garantindo uma proteção eficaz às pessoas.

Agora que você já sabe dos riscos, que tal verificar como estão as instalações elétricas da sua casa?

 

Referências:

(1) “Anuário Estatístico 2019 – Ano base 2018”, publicado pela Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade. http://abracopel.org/ – Acessado em 30/05/2019
(2) “Raio X das Instalações Elétricas”, publicado pela Abracopel em conjunto com o Procobre: http://bit.ly/2X6DnfEU – Acessado em 30/05/2019